Electrocochleography {Otacílio Melgaço} [duration 46​:​28]

by Otacílio Melgaço

/
  • Streaming + Download

    Includes unlimited streaming via the free Bandcamp app, plus high-quality download in MP3, FLAC and more.

      $5 USD  or more

     

1.

about

E l e c t r o c o c h l e o g r a p h y

[ M o v e m e n t s:

I > e l e c t r o g e n e s i s

II > e l e c t r o a n a t o m i c a l

III > e l e c t r o a n t e n n o g r a m

IV > e l e c t r o c l a s h

V > e l e c t r o n a r c o s i s

VI > e l e c t r o k i n e t i c

VII > e l e c t r o a c u p u n c t u r e

VIII > e l e c t r o p h o b i a

IX > e l e c t r o m a n c e r

X > e l e c t r o c o n v u l s i v e

XI > e l e c t r o l u m i n e s c e n c e

XII > e l e c t r o o s m o s i s

XIII > e l e c t r o e x c i t a t i o n

XIV > e l e c t r o j a z z

XV > e l e c t r o a n e s t h e s i a ]

O t a c í l i o M e l g a ç o

[duration 46:28] all rights reserved

#

The artist Otacílio Melgaço has two official curators in the virtual world. A curator (from Latin: ´curare´, meaning ´to take care´) is a manager or overseer. Traditionally, keeper of a cultural heritage institution (e.g., gallery, museum, library or, as the present case: sound archive) is a content specialist charged with an institution's collections and, highlighting the context in force here, involved with the interpretation of personal (heritage) material. Both, Mr. Paz and Mr. Campbell, are, therefore, reviewers of the Melgacian works. To learn more about their missions, tasks, assignments and responsibilities by means of valuable informations regarding the compositional process, the performative rhizomes and other special features, just click the following link: otaciliomelgaco.wix.com/preamblebypsp
(O.M.Team; P r e l u d e)

+

"Lukas Foss once commented: ´It is the element I miss in electronic music - (...) no loving immersion.´ I fully understand the statement (and, in times of unbridled praise to hypertechnology, I bring this quote on purpose because it seems to me quite reliable) but when there are exceptions, are splendid - in density, breadth, inventiveness, substantiality and rise.
That's what we´ll unscramble and decipher below.

I N T R O D U C T I O N

Unlike the standard procedures of our reviews,
´Electrocochleography´ leads us to an unusual ephemeris. In a joint action, the release of such work is linked to the posting of an interview by journalist Eduardo Ribeiro (Thump Vice magazine)
with O.M. | Synchronized Date: July 27, 2016.

[>> check out the teaser (scenographic Projection)

www.youtube.com/watch?v=V7bf5DAWjy0 <<]

The dialogue took place in Portuguese and we prefer to keep it that way. Outmoded, there´s a tradition of believing that ´every translator is a traitor´ (traduttore, traditore). Just in case, Mr. Campbell and I assume our loyalty to the Melgacian verb. Nevertheless, we delegate to a digital medium the mission: for those who do not speak the official idiom of Brazil, allow them to accompany the nuances of the thought-provoking conversation. >> Just make good use, if you please: translate.google.com <<

Then, after my presentation of the album, two interventions:

1- Previously sent to the interviewer, the words of Mr. Campbell about the Suite

and

2- The colloquy itself.

[My preface is an intersection among them. Sewing their ideas and terminologies.]

I thank you all, ladies and gentlemen, for your attention, understanding and appreciation.

F E A T U R I N G
T H E
W O R K

Electrocochleography (abbreviated ECochG or ECOG) is a technique of recording electrical potentials generated in the inner ear and auditory nerve in response to sound stimulation, using an electrode placed in the ear canal or tympanic membrane. The test is performed by an otologist or audiologist with specialized training, and is used for detection of elevated inner ear pressure (endolymphatic hydrops) or for the testing and monitoring of inner ear and auditory nerve function during surgery.

I have the habit to emphasize this Melgacian predicate and increasingly it seems inescapable: the striking ability to handle metaphors. The title of present Piece, focused on Electronic Music, is a chef d'oeuvre in every way. Etymologically, phonetically, figuratively ... And what´s indispensable: its content also sounds like a creation irreproachable.

´Electrocochleography´ is a Suite and Otacílio elevates, as few, his approach to current E-l-e-c-t-r-o-n-i-c-a until respectable complex levels. Several explanations for this, I'll throw - randomly - a spotlight on some:

>>

i - He can transplant his skills in ´Elektronische Musik´ for a whole more assimilable context, when so wishes;

ii - Its timbristic plurality (and therefore ´instrumentalistic´) is a relevant factor to give corporeality to dashing compositional pillars;

iii - The versatility of his soundscapes is breathtaking. Only this topic, precisely because of its extreme ingenuity, would be enough to potentially catapult the focused stylistic enclave to a desired Olympus;

iv - The thoroughness, meticulousness revealed in fifteen ´movements´ (all of them properly baptized) shows the itemized degree of compenetration and dedication to an admirable ´inventive engineering´. I suggest, a propos, every listener find the thread between this nomimal division and the audible;

v - From an extensive discography, the exciting freedom to exuberantly effervesce metalanguages. For example, plus incidental subtle interventions, two fragments enclosing the Suite (contributing decisively to its eccentric complexion) are from another stupendous album, ´OMFUG! | Other Music For Uplifting Gormandizers!´

melgacootacilio.bandcamp.com/album/omfug-other-music-for-uplifting-gormandizers-a-tribute-to-david-bowie-otac-lio-melga-o-duration-01-02-18

dedicated to David Bowie;

vi - Transcultured kineticism. Not only in the musical universe. Throughout a cosmopolitan cultural intercommunication. I´ll comment on two curious aspects because are numerous:

a) 2001: A Space Odyssey is a 1968 epic science fiction film produced and directed by Stanley Kubrick. I make a parallel between the voice that punctually accompany us along the Suite and HAL 9000. HAL (Heuristically programmed ALgorithmic computer) is a sentient computer (or artificial general intelligence) that controls the systems of the Discovery One spacecraft and interacts with the ship's astronaut crew. An interesting insight is the metaphorical sense possibly included in ´ECochG or ECOG´ spoken words, which begins with a normal diction and ends (uncomfortably?) ´numbed´. I see that, here: a purposely Melgacian dichotomous stance. On the one hand is an aspect that highlights the futurism, the avant-garde ambience of his work and, on the other hand, strikes me as a critique pointed at as many manipulate the electronic cosmos (some artists if inept, some audience if passive) about to take it to entropy (not the gradual decline into disorder, but into nothing, nil, zero);

b) Note the record sleeve. Bringing up (reinventing) a Russian painter born in the nineteenth century, it remains enigmatic when relates to the theme. Gargantuan detail that makes wider the range of references involved. Under the wings of a kinesthetic production, an open offspring becomes synonymous with kaleidoscopic sources and interpretations (like every great Work of Art should be);

vii - All that´s customarily decoded as ephemeral and ´enslaved´ by ultra technology (if frigid, when frigid) is discarded from the prisms of O.M.;

viii - Here, a very specific point of view: in fact, most of the time, in my understanding, there´s an Achilles' tendon (several, alias) in (I speak of what´s most widespread, of course) the ´actual´ Electronica: the exaggerated serialization of monolithic beats or, as I prefer: dumbed down rhythmicities. Endless and tiresome loops. Beyond the jargon, such devices rarely used masterfully as ´repeatability´: or - yes - find the magistral appropriate ratio in the hands of Otacílio or are atrophied/aborted if disposable (Melgaço has no sympathy for fads or purely mercantilist tendencies);

ix - I will not make mention of various artists flirting with electronic elements, but to whom want directly do Electronic Music (there are differences among one horizon and another). Okay, I quote, therefore, another tendon: often or the niche is restricted to one of the entertainment industry arm, mere ´muzak´ (this is the face more pasteurized); or ends up being a bunch of insistently annoying noises (this is the face more falsely restless). Most often, it´s hovering - like a pendulum - in limbo amid them. Both vertexes, in my opinion, are, each in its own way, emptied expressions. Or on its narcotic harmlessness, or when there´s an attempt to make it appear a supposed ´sophistication´ (in reality, a euphemism for ´soulless´) that, frankly, is too archaic if we, at least, listen to what, decades and decades ago, was done in the cradle that originated the ´modern´ genre (I will not even refer to what today truthfully is the latest - intelligent - E.M. - as is the album here emphasized - because I would be very very, to use another euphemism, ´cruel´ with, retaking the beginning of my criticism, all who wear the shoe). A bizarre question: sometimes both lightly (en passant) can be interlaced. Respectively, or as an act of sterile boldness or proselytizing concession. Anyway, the architect of ´Electrocochleography´ is antipodal to it all.

<<

Initiatives like ´Electrocochleography´, seem very important because they´re evidences that O.M. is not imprisoned in pedantic or egotistical or hermetic musical erudition and also not lost, by means of a doubtful/suspicious ´accessibled´ expansionism, in inconsistent (pardon the term) ´vaselined´ experiments. It´s true that Otacílio has the 21st-Century Classical Music as its natural origin. Or, in another connotation, the Contemporary Music. It´s true that this makes the hearing of his creations becomes more challenging and provocative. He´s keen to remain a ´stranger in the nest´, no matter where he´s hovering. One Flew Over the Cuckoo's Nest. Thus, the Brazilian composer and multi-instrumentalist gives his contribution to an outlook that stands for authenticity, fluxuosity and altitude. Made this vehement observation: progressively updated, a contextualization of the Melgacian directions (when exploring such territoriality - nor inexpugnable nor vulgarized -) in one paragraph:

´Electronically produced music became prevalent in the popular domain by the 1990s, because of the advent of affordable music technology. Contemporary electronic music includes many varieties and ranges from experimental art music to popular forms such as electronic dance music. Today, pop electronic music is most recognizable in its 4/4 form and vastly more connected with the mainstream culture as opposed to its preceding forms which were specialized to niche markets. In recent years (2000s and 2010s), as computer technology has become more accessible and music software has advanced, interacting with music production technology is now possible using means that bear no relationship to traditional musical performance practices: for instance, laptop performance (laptronica), live coding and Algorave. In general, the term Live PA refers to any live performance of electronic music, whether with laptops, synthesizers, or other devices. In the last decade, a number of software-based virtual studio environments have emerged, with products such as Propellerhead's Reason and Ableton Live finding popular appeal. Such tools provide viable and cost-effective alternatives to typical hardware-based production studios, and thanks to advances in microprocessor technology, it is now possible to create high quality music using little more than a single laptop computer. Such advances have democratized music creation, leading to a massive increase in the amount of home-produced electronic music available to the general public via the internet. Artists can now also individuate their production practice by creating personalized software synthesizers, effects modules, and various composition environments. Devices that once existed exclusively in the hardware domain can easily have virtual counterparts.´

Likewise, throughout these ´waters´, Mr. Melgaço sails, submerges. Merging ubiquitous mobility and abyssal depth. But always dialectical, I think about Otacílio and the desert too. ´Since the time of St. Jerome, it was mandatory for any kind of scholar or thinker to spend time out in the desert in solitude. It's no coincidence that the desert has been a major part of the visionary or mystical experience from the beginning of time´, Bill Viola - consecrated contemporary video artist - teaches us. ´E-l-e-c-t-r-o-c-o-c-h-l-e-o-g-r-a-p-h-y´. It´s composed of sonic ´water droplets & sand grains´: there are both mixed. Oceanic and desertic: being invaginated by or penetrating into the womb of waters, into the uterus of sands ... just like if we were in a ... loving immersion." (Pablo S. Paz; Argentinean musicologist)

“´Quando Stephen Dedalus contempla o mar parado à sua frente, o mar não é simplesmente o objeto privilegiado de uma plenitude visual isolada, perfeito e ´separado´; não se mostra a ele nem uniforme, nem abstrato, nem ´puro´ em sua opticidade. O mar, para Dedalus, torna-se (...) uma superfície que só é plana para dissimular e ao mesmo tempo indicar a profundeza que a habita, que a move, qual esse ventre materno oferecido à sua imaginação como um ´broquel de velino esticado´, carregado de todas as gravidezes...´ (Georges Didi-Huberman)

Influenciado por criadores advindos de diversos idioletos, como Olivier Messiaen, Erik Satie, Miles Davis, Ornette Coleman, Elomar, Egberto Gismonti, Otacílio Melgaço engendrou mais de uma centena de obras discográficas, muitas das quais sob a forma de sinfonias, sonatas, cantatas, pastorais, madrigais, sarabandas, fantasias, fugas, rapsódias, capriccios, passacaglias, berceuses, tombeaus, lieder, concertinos, ginopédias, oratórios além de uma ópera, uma opereta, um réquiem e uma missa solemnis. Faz-se mister ressaltar, o principal traço que o acompanha desde os idos conceptivos de sua musicalidade é o fato de sê-lo autodidata. Dentre todas as meditações intelectuais, as do campo sonoro foram certamente as que numericamente mais reuniram esforços para uma estilística e pensamento melgacianos. Sua faceta composicional e multi-instrumentística é um caleidoscópio vivo, pois, se olharmos atentamente para tais incursões, veremos que perpassam plurais linguagens, que vão desde a música contemporânea ao free jazz; da popular brasileira à ópera, da poesia sonora a enveredamentos étnicos etc.

Sinfonias, sonatas, cantatas, pastorais, madrigais, sarabandas, fantasias, fugas, rapsódias, capriccios, passacaglias, berceuses, tombeaus, lieder, concertinos, ginopédias, oratórios e...suítes.

Uma Suíte é, grosso modo, como se chama o conjunto de movimentos instrumentais dispostos com algum elemento de unidade para serem tocados sem interrupções. Ao todo, quinze movimentos dão vulto a ´Electrocochleography´; obra do compositor, arranjador, condutor, multi-instrumentista Otacílio Melgaço.

´Eletrococleografia´ é a medição da atividade elétrica do ouvido interno gerada pelo som. Como é habitual às proles melgacianas, estamos diante de uma Peça polissêmica. Não só pela citação à música eletrônica como um metamórfico prefixo que percorre (e repercute por) todos seus quarenta e seis minutos e vinte e oito segundos como também devido a dois complementares fatores:

1- a ebulição de um dialeto estilístico a uma compleição francamente expansiva - no caso, suítes são típicas do chamado meio ´erudito´ e é a mente de um criador iconoclasticamente contemporâneo que está por detrás da arquitetura audível de ´Electrocochleography´;

2- o advento de proposições plurais que abarcam legiões de instrumentos, miríades de performances, mosaicos de ambiências...que não admitem fronteiras.

Há um depoimento-espelho que muito bem contextualiza o que representa o novo álbum de O.M.:

Luc Ferrari, mito da ´musique concrète´, uma vez afirmou que ´electronic music used pure sounds, completely calibrated. You had to think digitally, as it were, in a way that allowed you to extend serial ideas into other parameters through technology´.

Já Thomas Bangalter, de outra geração e habitat, chega a declarar: ´The spirit of (...) electronic music, in the beginning was to break the rules, to do things in many different ways. It's very strange how electronic music formatted itself and forgot that its roots are about the surprise, freedom, and the acceptance of every race, gender, and style of music (...). Instead, it started to become this electronic lifestyle which also involved the glorification of technology.´

Melgaço nos revela, não só no cenário brasileiro mas cosmopolitista, peculiar ´middle path´. Discrepante a muitos, não ´glorifica a tecnologia´ (em outras palavras: não ´desalma´ sua música). Contudo ele tem total ciência de que há ´anima´ tanto na voz humana ou num instrumento fon´orgânico feito de madeira quanto em máquinas de última geração e a chave-mestra que a evoca se encontra nas mãos do próprio músico que se faz valer dos parâmetros necessários para dar bem calibrada vazão a extensões rizomáticas de multivalentes ideias. Efervesce, com bastante propriedade, particular compostura voltada a rompimentos para com qualquer tendencial rigidez normativa; perverte regras, abraça o que é surpreendente, libertário, includente. Nesse sentido, é etimologicamente radical. Mas não só. Do elemento derivativo ao metafórico: para se auferir a atividade elétrica da internalidade auditiva: há de se reconhecer e de se reinventar o sentido exuberantemente quintessencial de interiorização da própria audição-em-ato e, se isso se dá por meio de um som gerado, ´o´ som gerado aqui recebe um nome: ´Electrocochleography´.” (Caio Campbell; Anglo-Brazilian semiologist and musician)

S U P P L E M E N T

The article:

thump.vice.com/pt_br/article/electrocochleography-premiere-otacilio-melgaco

"Electrocochleography, new work of multi-platform creator (Otacílio Melgaço), is a journey that takes a little more forty-six minutes by the possibilities of sound art." (THUMP | The electronic music & culture channel from VICE)

P L U S

With exclusivity, see the full interview from which the article was written:

EDUARDO RIBEIRO (Thump Vice magazine) - Fale um pouco de sua trajetória e formação/produção na arte e na música, e como chegou até aqui.

OTACÍLIO MELGAÇO - Talvez minhas respostas não sejam as mais pertinentes e lhe peço desculpas por isso - de antemão. Acontece que sou convictamente um autodidata. Se em mim um marco inicial, ei-lo. O alagoano Hermeto Pascoal afirmava: ´meu professor é meu dom´. Não que seja uma mera escolha dentre a geleia geral contemporânea, Arte para mim é medula: não almejada dentre um leque de opções formativo-produtivas cabíveis e sim (tal qual um sacerdócio) nós nos permitimos nos possuir por. Às vezes nem há tal permissão ou permissividade, há o ato de se lançar – sem premeditações, de súbito – nessa fluxuosidade. Tenho grande apreço pelo que é ´súbito´. Talvez seja a melhor tradução para ´tempo´. Através do ´súbito´ invagina-se o ´sempiterno´, compreende? O que se costumara chamar de ´dom´ pode ser traduzido como ´dádiva´, ´dote´. Sinto de outro modo, penso em ´δαίμων´ (´daímôn´, o gênio pessoal socrático). Me recordo sempre de um ditado oriental, não ipsis litteris mas...´se for um Artista, então seja o Deus de sua Arte´. Uma divindade portanto iconoclástica em sua essência. Um paradoxo? Claro. Me excita quando em Blake leio: ´If you have formd a Circle to go into, go into it yourself & see how you would do.´ Deixa-se de lado o pendor ou desafio de se partir (d)o coração desse Círculo para que, justamente feito você epicêntrico, se expanda...mais e mais. Minha trajetória se dá conjunturalmente em uma Torre de Marfim. Sem pejoratividade. Me refiro a um espaço de criação em si soberano, quase monástico, alheio a tantos escapes ou exílios. O sumo, a polpa. Ali há o berço a meus todos engendros. E sim e por fim, os meios digitais se tornam adequados dínamos propagadores tanto às proles sônicas quanto a meus flertes com a dramaturgia, dança, videoarte et cætera.

E.R. - Como você atua no campo da música eletrônica e o que é o projeto Electrocochleography?

O.M. - Gosto da perspectiva de ser um estranho no ninho. Quanto a tudo, aliás. Antitética a ser postura forjada, trata-se de uma compostura natural em/a mim. Privilégio e condenação, simultaneamente. O termo ´eletrônica´ é vastíssimo, poderíamos zarpar em direção a inúmeras conotações no entanto se tento amalgamar nortes a essa atuação, se voltariam à inserção de meus enveredamentos pela Elektronische Musik no que passou esse campo (gênero musical repleto de sub-estilos) a se convencionar como tal - mais massivamente de certo tempo para cá. Electrocochleography é uma Suíte. Pode ser encontrada (Duke Ellington foi um de seus baluartes) em jazz e demais vertentes musicais populares contudo originalmente suas raízes são ´clássicas´. Não tenho a menor aptidão a adotar jargões como ´clássicas´, ´eruditas´...e somente o faço aqui como uma ou outra palavra-valise, um atalho. Essa obra discográfica então preserva específica arquitetura e nela já reside uma proposta, em seu nascedouro, híbrida. Sua duração resfolegante (uma Peça sonora de 46 minutos e 28 segundos) já é prova disso. Em contrapartida, a engenharia, isto é, suas entranhas estruturais se abrem a penetrantes e extrapolativas e espraiantes timbrísticas, ambiências, dialetos e dialéticas. Considero um desenvolvimento genuíno do que eu já estivera a edificar em discos como KlingKlang e Psicastenia Legendária.

melgacootacilio.bandcamp.com/album/klingklang-otac-lio-melga-o-duration-40-57

melgacootacilio.bandcamp.com/album/psicastenia-legend-ria-otac-lio-melga-o-duration-53-05

E.R. - Como são as apresentações ao vivo que você faz? Você as envolve em algum conceito multiplataforma?

O.M. - A priori, vale afirmar: são raras. Tenho uma postura muito, muitissimamente próxima a de Glenn Gould a respeito disso. Gould a quem recentemente, diga-se de passagem, dediquei, na íntegra, uma obra:

melgacootacilio.bandcamp.com/album/when-blue-turns-gould-otac-lio-melga-o-duration-01-07-22

Raras mas, paradoxal e provavelmente, se tornem menos...por meio de um dos meus projetos paralelos (a banda Baal des Quat´z´arts; com que - há pouco tempo e a propósito do assunto que acabamos de abordar -, participei - como talvez uma espécie de ´grimme ælling´ - da décima coletânea Hy Brazil de Chico Dub).

baaldesquatzarts.bandcamp.com

chicodub.bandcamp.com/track/otac-lio-melga-o-high-brasil-feat-baal-des-quat-z-arts

Espetáculos que já fiz, os costumo definir como Aparições. Geralmente não anunciadas com antecedência, em locais pouco previsíveis, circunstâncias atípicas, ...quiçá tentáculos de um esprit kamikaze como é o meu. Palco me é sinônimo de arena, inexoravelmente um antro a ritos de passagem. Antro enquanto furna; gruta natural, profunda e escura, a servir de abrigo às feras. Logo, não me é serializável. Até mesmo porque nele (no palco) deve haver uma certa crueldade intrínseca. Em que sentido? Por pequenículas taras que tenho pelos dadaísmo e surrealismo, posso evocar aqui o Teatro da Crueldade de Artaud. Anti-racionalista, pré-verbal; útero inconfinável do imaginário, do sensorial, intuitivo...não obstante, a mim, deixando de ter como maquinaria infernal a angústia ou medo ou insegurança (não que se furtem de também ser engrenagens pontuais mas) para abraçar articulações que lancem alguma unicidade maior a todos os que ali se encontram. Ao vivo aos vivos. E, claro, espectros do que é belo. E vale Valéry: ´a definição de belo é fácil: é aquilo que desespera.´
Como a m-u-l-t-i-plicidade é parte sine qua non de minhas concepções artísticas, as plataformas que adoto não perderiam esse prefixo.

E.R. - Que tipo de ressonância você quer produzir no ouvinte com esta ou outras obras?

O.M. - De determinada maneira, a resposta anterior é prenunciadora, em potência, dessa mesma magnética ressonância. E consonante dissonância e dissonante consonância e...definitivamente acredito em arrebatamento. Mútuo.

Me desgarro de qualquer prisma que torne o artista um paternalista quanto a seu público. Prefiro ser um elemento provocador; a Peste. Porém ressalto o nexo lacaniano, digamos, dessa pestilenta provocação. De um de seus ex-analisandos ouvi que ´com uma mão ele nos chacoalhava, com outra amparava.´ Sendo assim, tenho também estima pelo acolhimento. Tantas vezes a música contemporânea, que é de onde – por própria conta – emergi, se tornou um apetrecho sádico – sob a desentesada batuta de muitos – para se testar ou a paciência ou ignorância ou benevolência ou suspeita complacência ou os limites de insanidade ou a falta do imperativo questionador ou (como não complementar? com) o masoquismo...de algumas pessoas. Divirjo frontalmente de. Tenho fascínio por ir aos extremos (e paralém) com o intuito de que esse afinco extrapolativo azeite em mim um sentido mais maturado de temperança. O caminho do meio, essa terceira margem. Me marginalizo três vezes (três vezes três me torno invertebrado) para compreender melhor as espinhas dorsais. As colunas-mestras. E vice-versa. Não componho nem comporei, não me instrumentalizo para aqueles que não possam compartilhar comigo uma mesma qualidade de tempo e atenção como a que eu lhes dediquei. Não faço esse tipo de entretenimental concessão. Por outro lado, como no amor rilkeano, em última instância somos - músico e ouvinte - duas solidões protegendo-se uma à outra.

E.R. - Sua criação musical pode ser entendida dentro de alguma corrente artística? Há um cenário ou outros artistas com quem sua produção dialoga?

O.M. - Veja bem, se fosse em busca de um verbete wikipédico, ´21st-Century Classical Music´ seria aceitável pois é ´art music´, na tradição clássico-contemporânea, produzida a partir dos anos 2000. Alguns elementos do século anterior foram mantidos, incluindo o poliestilismo e ecletismo, que, aliás, procuram incorporar rastros de quaisquer vertentes da música, independentemente de serem ´eruditas´ ou não. As fronteiras entre correntes passam a ser derretidas, indiscernibilizadas. Vai daí que, em confirmação, as multiplataformas se tornam uma prática notável tal qual a Internet em seus recursos metamórficos. Outro entendimento, ainda sob feição enciclopedista, tenderia a se abrigar na ´Música Contemporânea´, sendo a dos séculos XX e deste, parida após o movimento impressionista e os vários nacionalismos. Pode-se dizer ainda que todo compositor que se encontra ainda vivo: a faça. [Há espaço a polêmicas. Mas e um que pretenda pastiches de Bach? Mesmo assim? Sim pois seriam inquestionáveis suas diretrizes para ´decodificar e reanimar´ aqueles estereótipos de composições?; sua formação é oriunda de que inevitável sincronicidade histórica e quais os efeitos mesmo que sub-reptícios disso em suas ditas criações?; estará imune a respectivo Zeitgeist - para além de suposto estratégico domínio estilístico?; os, por exemplo, cravos através dos quais tocarão suas ´réplicas´ soarão com indefectível fidelidade aos bem temperados do século XVIII? ...e assim por diante.] Ao contemporâneo a contemporaneidade; quer se queira, quer não. Devo acrescentar que, dada a resposta, me mantenho, a despeito de, um artista intemporal. Concordo com Drummond: fica-se enfadonho ser ´moderno´, o querer se entrega (agora) é ao ´eterno´.

Retomando o fio de Ariadne, sobretudo verso aqui 1- a desconstrução do que pode ser alcunhado como propriamente ´instrumento musical´, inaugurando – dia a dia, sol a sol – um manancial de vindouro aparato timbrístico; 2- o nos deslocarmos por sobre e entre novas veredas que se proliferam como gamas – em fonte – de (não somente parafernálias de notas e pausas mas) ruídos – os correntemente disponíveis, os a se ainda dar à luz; 3- a implosão de paradigmas antes enclausurantes ou tendencialmente de rígida rotulação; 4- instigantes experimentos transculturais; ...; ...sem mencionar 5- os obsessivos leviatânicos irresistíveis avanços tecnológicos em voga e que a tudo permeiam.
Por esses pressupostos, meus diálogos se dão com interlocutores de mil faces; mil e uma pois todos batizados nas águas desse polissêmico diluviante cosmopolitismo...

E.R. - Quem são Nausícaaa Ensemble e Zycluz Quartett, que aparecem como participações?

O.M. - São parte de meus rizomas globais. Teias que formei para que pudesse laborar ao lado de demais artistas de todo o mundo no entanto, em esmagadora maioria das vezes, à distância. Assim é de minha predileção. São como que heterodoxas Sociedades Fono-Anônimas e nelas, todos – com exceção daquele que capitaneia este ou aquele projeto – atuam sob pseudônimos ou tais designações apontadas por você. Há outras como HoniG Stahl Orchester, CadavreXquis Ensemble, The Dark Midas Combo, Mahashiva Orchestra... Sem dúvida, rayuela multilateral, reversível. Quando sou convidado para participar de uma dessas agremiações de outrem, atuo igualmente incognitamente. Somos como que espelhos cubistas, superfícies que refletem (ondas sonoras?) raios luminosos mas que concomitantemente os absorvem e os espalham não somente a uma definida direção mas a todas elas...

E.R. - Lá no seu Bandcamp vemos que você tem uma extensa produção de lançamentos. Como acontece o seu processo? Você está sempre criando alguma coisa?

O.M. - Perenemente. Meu processo é kafkiano; mancomunadas a veios constantes que chegam ao absurdo de esquadrinhar o Absurdo, as linhas – as cordas bambas – que separariam o que é real e o que é imaginário me são por demais tênues. E eu, inveterado funâmbulo...
Há reverberações de Eisenstein em minhas montagens, ou seja, em como manejo e atraio as camadas sonoras que componho. Para que eu mesmo as toque assim como todas as demais personalidades com quem divido meu ofício. As oriento, elucido, conduzo, regencio...até que os respectivos fragmentos de tais crias sejam a contento performatizados. Quando me redestinados também virtualmente...eu, derradeiro, lhes acrescento arranjos, efeitos, filtros, ..., os perverto, os efervesço, expando, os transubstancio. Viver é um rasgar-se e remendar-se. O ato genesíaco é incessante, só ganha término quando faço o lançamento oficial já sob o manto da disposição das faixas, arte gráfica, apontamentos de meus ambos curadores (Sr. P.S.Paz & Sr. Campbell) e apêndices afins. Ou nem isso. Se intuo que, mesmo após ulterior tempo indeterminado, ainda há uma interferência clamando a vir à tona, não hesito em manter essa correnteza perplexamente desrepresada. Se permanecer somente na seara cinemática, haveria outros nomes à la Mário Peixoto, Andrei Tarkovski, Jean-Luc Godard, Peter Greenaway...com os quais mantenho promíscuas transdisciplinaridades.

Bandcamp, não é de marfim, mas minha gêmea Torre, nesse caso: babélica. A diferença é que, como ciciava Guimarães Rosa, a solução para Babel é mais simples do que se pode supor: que continuem a falar todas as línguas contudo que aprendam a se traduzir, se (acrescento eu porque assim os quero) generosos e inclusivos. É o que tenho feito ao longo de minha extensa produção. Esse abismo navegável, descanso na loucura, pássaro que põe ovos de aço...

&

I - www.drmkotb.com/myimages/EcochG.jpg

II - Suite, in music, is an ordered set of instrumental or orchestral/concert band pieces. It originated in the late 14th century as a pairing of dance tunes and grew in scope to comprise up to five dances, sometimes with a prelude, by the early 17th century. The separate movements were often thematically and tonally linked.

...for purposes of pragmatism and clear exegesis,
quotes have Wikipedia as a source...

\|/

Between two parentheses...
(Atonalism, Twelve-Tone, Serialism, Musique Concrète... Acousmatic. Eletroacoustic. Magnetic Tape. Expressionism, New Objectivity, Hyperrealism, Abstractionism, Neoclassicism, Neobarbarism, Futurism, Mythic Method. Electronic...Computer Music, Spectral, Polystylism, Neoromanticism, Minimalism and Post-Minimalism...are addressed by Melgaço. Paradoxically New Simplicity and New Complexity also.
Art Rock, Free Jazz, Ethnic Dialects, Street Sounds are occasional syntax elements.
All the possibilities mentioned above and others that were not mentioned are the usual accoutrements of the composer/instrumentalist to establish his ´babelic´ glossary. We can prove this in a short passage of a single composition up along the entirety of a conceptual phonograph album. All distributed over a career and idiosyncratic records. Have we a universe before us and I propose to see it through a telescope, not a microscope.
I propose not handle very specialized topics here. Otherwise would be, with the exception of musicians and scholars, all hostages of a hermetic jargon. Because more important is to present Otacílio Melgaço to the general public and not to a segment of specialists. Faction of experts not need presentations, depart for the enjoyment beforehand. For this reason there is no niche here for intellectual onanism and encrypted musical terminology. The reason for these parentheses is to establish such elucidation. The non-adoption of technicalities leads to more panoramic, amplifier reviews. Are You always welcome. Those who do not dominate contemporary music and are introduced to the world of ubiquitous O.M. [autodidact and independent artist who, being more specific, does not belong to schools or doctrines; artist who makes Music and that´s enough; music devoid of labels or stylistic, chronological, historical paradigms or trends] and Those who belong to the métier and turn to enjoy propositions they know and also delving into advanced Melgacian sound cosmogonies...
I conclude poetically. ´Certeza/Certainty´ by Octavio Paz. ´Si es real la luz blanca De esta lámpara, real La mano que escribe, ¿son reales
Los ojos que miran lo escrito? De una palabra a la otra Lo que digo se desvanece. Yo sé que estoy vivo Entre dos paréntesis.´ If it is real the white light from this lamp, real the writing hand, are they real, the eyes looking at what I write? From one word to the other what I say vanishes. I know that I am alive between two parentheses.
We´re all more and more a-l-i-v-e now.)
- P.S.P.

credits

released July 27, 2016

Hear more here:
soundcloud.com/otaciliomelgaco

>>

O t a c í l i o
M e l g a ç o {conception | composition | arrangement | synopsis | instrumentation | orchestration | engineering & sound design | art design [O.M., after Somov] | production | direction}

Special Guests: Nausícaaa Ensemble | Zycluz Quartett

Estúdio Yoknapotawpha/BR + Unidade Euromobile

<<

tags

license

all rights reserved

about

Otacílio Melgaço Belo Horizonte, Brazil

Composer, Arranger, Conductor, Multi-
Instrumentalist
from
Minas Gerais,
Brazil.
+
Official (English) Site
otaciliomelgaco.wix.com/omenglish
+
About Melgacian Global Sonic Rhizomes
otaciliomelgaco.wix.com/preamblebypsp
+
PORTAL O|M
(in Portuguese)
otaciliomelgaco.wix.com/otaciliomelgaco
+
Contact
veredasvivas@gmail.com
+
"Music is like a bewitched Mistress." (Paul Klee)
... more

contact / help

Contact Otacílio Melgaço

Streaming and
Download help